Cinta pós parto. Usar ou não?

Geralmente indicamos a calcinha pós parto. Ela é um pouco mais alta e mais larguinha dando um suporte legal para o abdômen, independente se o foi parto via vaginal ou cesárea. Além disso, ela tem uma parte maior onde a paciente pode colocar um absorvente.

Calcinha pós parto
Calcinha pós parto

Não temos o costume de indicar a cinta porque, imagina 39-40 semanas do abdomên distendendo, a musculatura ficando completamente distendida e na maioria das vezes desativada, devido as posturas viciosas da gestação. Assim que o bebê sai é preciso ativar essa muscultura para ter um bom suporte muscular e “acordá-la” desse “relaxamento. O ideal é fazer a ativação/contração em conjunto da musculatura do abdômen sendo eles: transverso (inferior), dos oblíquos e do reto abdominal. Nunca se esquecer de sempre associar com a musculatura do períneo, principamente para aquelas pacientes que fizeram parto via vaginal.

A cinta é indicada em casos específicos, quando a paciente passa por uma avalição fisioterapêutica e apresenta um edema abdominal ou dor intensa na região do abdômen após a cesariana o tipo ideal de cinta é orientado pela fisioterapeuta responsável.

O abdômen não é importante apenas esteticamente, ele é fundamental para nossa postura, respiração e na execução correta dos exercícios físicos por isso precisamos preservar e cuidar dessa musculatura antes, durante e após o parto. Um dica para aquelas pacientes que foram diagnosticadas ou estão desconfiando estarem com diátase: não realizem exercícios de flexão de tronco sem orientação. É importante saber como executar corretamente abdominais em caso de diátase.

*Existem técnicas de reabilitação do abdômen que fazem uso de cinta. É uma linha diferente de tratamento da utilizada na Fisio&Pelve.

Leave a Reply

Your email address will not be published.