Fisioterapia Pélvica na Gestação

Muitas mulheres acreditam que a Fisioterapia Pélvica na Gestação só é útil para quem se submete ao parto natural. Mas os benefícios são comprovados também durante a gestação, no parto cesárea e no período após o parto. Ela pode ser iniciada a partir do terceiro mês de gestação – após liberação do obstetra – e também após o parto.
Durante a gestação, o útero cresce mais de 20 vezes em relação ao seu tamanho normal, pressionando o assoalho pélvico. Essa 

musculatura é importante para sustentar os órgãos pélvicos, o controle urinário e fecal e também para a parte sexual como já falado no post sobre assoalho pélvico. Por isso, independente da via de parto, preparar essa região através da fisioterapia pélvica é muito importante, principalmente para que a mulher possa retomar a vida normal depois do parto.
Para aquelas que pretendem ter um parto cesário, o tratamento é feito como profilaxia, enquanto para o parto normal, os exercícios são sentidos pela gestante na hora do nascimento da criança.

Para as duas os benefícios do tratamento ao longo da gestação são:
• Diminuição dos desconfortos lombares
• Melhora da capacidade respiratória
• Relaxamento muscular
• Fortalecimento da musculatura do períneo
• Prevenção da diástase e das incontinências urinária e fecal.

Na Fisio&Pelve, as sessões são individuais e duram em média 45-50 minutos e são divididas em dois momentos. Primeiro é feito o

trabalho da musculatura do períneo, seguindo sempre os objetivos estabelecidos pela paciente e fisioterapeuta. É importante que a paciente tenha consciência da contração e relaxamento e também que essa musculatura esteja fortalecida para sustentar a sobrecarga do crescimento uterino. Em seguida o foco é no corpo como um todo, e aqui o tratamento é voltado para tratar e prevenir dores, diástase e a preparação do corpo para o parto que sofre com as alterações decorrentes do período.

No caso das pacientes que optam pelo parto natural, o trabalho feito na fisioterapia muda um pouquinho porque é importante trabalhar a flexibilidade da musculatura do períneo com o objetivo de alongar e facilitar a passagem do bebê pela vagina. Com essas pacientes é feita a massagem perineal e a utilização do Epi-no, um aparelho que ao ser insuflado simula a cabeça do bebê. Ele possibilita a paciente ter uma noção de como será o período expulsivo. Nesse aspecto, a fisioterapia pélvica se torna uma grande aliada contra um dos maiores medos da gestante durante o parto natural, a episiotomia (corte na região do períneo).

Após o parto, tanto aquelas mulheres que tiveram um parto natural quanto as que passaram por cesariana podem fazer a fisioterapia pélvica. A abordagem no pós parto é diferente e aparelhos como eletroestimulação, biofeedback e pesos e cones vaginais são usados para fortalecer os 13 músculos que compõem o períneo.
No pós-parto os benefícios da fisioterapia pélvica são:
• Melhora a flacidez do períneo
• Fortalecimento da musculatura abdominal
• Evita dor durante a relação sexual
• Auxilia na retomada da vida sexual
• Prevenção e tratamento das incontinências urinária e fecal.

Você não precisa passar 40 semanas sentido algum tipo de desconforto, por isso, o ideal é que a Fisioterapia Pélvica seja iniciada logo após o primeiro trimestre. Enxergue a fisioterapia como a preparação para a maratona que é a gestação e o parto. Prepare seu corpo para as alterações que ele vai sofrer ao longo do período, sem desconfortos e dores com qualidade de vida. Não deixe de praticar atividade física. Alimente-se e hidrate-se bem.

Leave a Reply

Your email address will not be published.